NinaBeth Muccillo em Inhotim MG

A Viajante da Câmera NinaBeth compartilha conosco mais um de seus saudáveis e artísticos passeios.

” Arte Contemporânea, Botânica & Meio Ambiente, Cidadania e Inclusão Social, Desenvolvimento Sustentável e Educação.  

É através desses  cinco Pilares que o Instituto Inhotim, Desenvolve seu trabalho e promove a democratização do  Conhecimento “

Como Viajante da Câmera  foi um mergulho em  um espaço imaginário muito especial.

As composições ocupam  o real e o virtual com uma estranha sensação  de que tudo  se confunde dentro  de uma moldura  onde o enquadramento não pode ser perfeito.

Para os apaixonados pela fotografia e suas múltiplas possibilidades é o lugar perfeito para espetaculares cliques não só com a Câmera mas com a alma.

Agradeço aos “Amigos que estão guardados  do lado esquerdo  do peito dentro do Coração”

….a possibilidade de conhecer este lugar  especial, e ao povo Mineiro que mantém suas  raízes e as possibilidades  culturais, abrindo suas portas e janelas para o mundo.

 Instituto Inhotim em Minas Gerais 

NinaBeth Muccillo

ImagemImagemImagemImagemImagem Continuar lendo

SARAU DE FOTOGRAFIA DIA 19.06

SARAU DE FOTOGRAFIA dia  19.06 – terça – 20h

Local: Café Fnac – Barra Shopping  Sul – Porto legre – RS

Convidados:  Tadeu Vilani e Jorge Aguiar

Tema: Umbu – Fotografia Documental

Entrada franca.

Karla Nyland, tem o prazer de receber os fotógrafos TADEU VILANI (fotojornalista da ZH) e JORGE AGUIAR (fotodocumentarista) para um bate papo sobre o projeto Umbu. O belo trabalho de fotografia documental nos insere no contexto da comunidade chamada UMBU. Abaixo a apresentação do projeto e algumas imagens.

Você é nosso convidado!

                        “UMBU”

O Projeto  Fotográfico UMBU, realizado pelos fotógrafos Jorge Aguiar e Tadeu Vilani, reconhecidos por seus trabalhos, tendo sido premiados : VI Bienal Europa 83, Instituto Cultural Judaico MARC CHAGALL Salão nacional de fotografia-Racismo e discriminação e prêmio Direitos Humanos UNESCO,  Prêmio Prix Photo Web Aliança Francesa,Prêmio Leica-Fotografe e Prêmio Fundação Conrad Wessel.

O Projeto Fotográfico UMBU é um registro dos moradores de um bairro que se constituiu a partir da ocupação de um grupo de pessoas em busca de moradia. Umbu é hoje um bairro na cidade de Alvorada, com uma diversidade de sujeitos que, apesar de inúmeros problemas envolvendo violência, drogas, ausência de políticas públicas sente-se bem morando ali, pois, na prática, é o local de referência de vida e que gera a forma como se comunicam e se relacionam dentro deste contexto.

O processo foi sendo construído a partir da análise em que hoje vivem esses que no passado eram “ocupantes” e hoje são moradores, registrando o cotidiano neste espaço conquistado.  A síntese desta interação acabou resultando na forma como esses se revelaram para as câmaras. Foram encontros prazerosos de aprendizagem, respeito e autoconhecimento.

Com as máquinas e lentes fotográficas, e o olhar aguçado dos fotógrafos para os contrastes sociais como forma de aprendizado, percorreram, de janeiro a maio de 2011, as ruas, becos e casas captando mais de mil imagens das cenas dos moradores e fotografando o seu cotidiano em imagens monocromáticas. A escolha por este tipo de imagens deu-se pelo fato de a essência da foto preto e branco ser o contraste e o tom, sendo uma das formas mais fascinante e inspiradora, expressando sentimentos e sensações.

Não só retratar os contrastes sociais foi o que moveu o ato de criação, mas o tom que os moradores dão ao seu cotidiano, captado nessas imagens pelos espectadores. Imagens essas que são afixadas em 40 carcaças plásticas de aparelhos de televisores velhos encontrados nos lixões. A utilização dessas carcaças de TVs tem como objetivo contrastar o que passa nas telinhas com o que acontece diariamente com as pessoas no Umbu, mesmo para aqueles que, ainda nos dias de hoje, não possuem uma televisão  em suas casas.

Foto documental Umbu de Tadeu Vilani

Foto documental de Jorge Aguiar


Inscrições abertas para o 6º Curso de Cinema Digital

           

Vídeo produzido por alunos do curso

 O ensino da Sétima Arte ganha cada vez mais espaço na Câmera Viajante – Escola de Fotografia e Cinema. Na próxima terça-feira, 13, inicia o 6º Curso de Cinema Digital, que em três módulos ensina aspectos como a operação de câmera, produção de roteiro e fotografia. Além das técnicas cinematográficas, os professores atuam em constante interação com os alunos, em debates sobre a nova cultura de um cinema que pode ser realizado com recursos simples, como uma câmera digital.

“Registrar o cotidiano, as viagens e todas as experiências possíveis”, resume Tiemy Saito, uma das professoras, ao falar da proposta do curso. Saito é graduada em Realização Audiovisual e integra a equipe composta pelo Alan Mendonça e por Rogério Brasil Ferrari, coordenador do curso. Com formações diferentes, o trio oferece subsídios de áreas distintas para o pensar e fazer cinema. Mendonça é mestre em Ciência da Informação e com experiência na área de direção de fotografia, adquiriu conhecimentos para começar a trabalhar também como diretor. Já Ferrari, é reconhecido roteirista e diretor do cinema gaúcho, tendo participação em projetos de repercussão nacional como Neto Perde Sua Alma, premiado longa-metragem que ganhou quatro kikitos no Festival de Cinema de Gramado.

A sexta edição do curso é o reflexo do sucesso que vem obtendo o ensino de cinema em uma escola tradicionalmente voltada a fotografia, como a Câmera Viajante. A escolha pela qualidade da educação, com turmas reduzidas atrai o público. Segundo o coordenador da Câmera Viajante, Rogério do Amaral Ribeiro, a maior procura é dos adolescentes. “São aficionados por cinema, que querem fazer suas próprias experiências”, conta.

O curso tem carga horária de 10h e será realizado entre os  13, 15, 22, 27 e 29 de setembro, das 10h às 12h. O investimento é de R$ 250,00, com a taxa de matrícula já inclusa, e as inscrições podem ser realizadas pelos telefones (51) 3012-0421 e 3028-0421.  Para participar o aluno deverá possuir uma câmera digital de fotografia (com função de filmagem) ou filmadora digital e notebook para as aulas de edição.

 CINE MARABÁ

Outra opção para quem gosta de cinema é o Cine Marabá. O espaço voltado à discussão do cinema é uma homenagem da Câmera Viajante a uma das mais tradicionais salas de exibição dos anos 70 em Porto Alegre e promove debates sobre o gênero. A próxima atividade será o filme O Mar do Poeta, de Alan Mendonça, com data a ser programada. 

Cientistas fazem fotografia rara de coroa solar

Cientistas fazem fotografia inédita de coroa solar em 2010.

Imagens raras de uma coroa solar – plasma luminoso que envolve o sol e possui uma temperatura ao redor dos dois milhões de graus celsius – foram capturadas por cientistas checos. As coronas são visíveis apenas durante eclipses totais do sol.

As fotos foram tiradas durante um eclipse visto das Ihas Marshall, próximo a Papua Nova Guiné, no Oceano Pacífico. Apesar de luminosa e das altas temperaturas, a coroa produz muito pouca luz, o que faz com que só possa ser vista quando é “iluminada” por um eclipse – quando a radiação do sol é parcialmente bloqueada pela passagem da lua.

As fotos foram tiradas pelo professor Miloslav Druckmuller, da Universidade de Tecnologia de Brno, na República Checa. As imagens vão ajudar os cientistas a estudarem mudanças na composição do plasma que compõe a corona.

Apesar das dificuldades em registrar o momento, o professor garante que o trabalho valeu a pena. “Mesmo que a razão dessas fotos seja a ciência, o resultado mostra uma enorme beleza da natureza. A expedição em si é terrivelmente estressante. Um erro estúpido, como apertar o botão errado, e tudo está destruído”, conta Druckmuller.

O trabalho dos cientistas checos continua no próximo eclipse solar, em julho.

Fonte: Veja.com – 10 de março de 2010 (http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia-tecnologia/cientistas-fotografam-corona-solar-539310.shtml)

E pensar que foi a necessidade de se observar eclipses como essa que provocou o surgimento da câmara escura, base para a construção das câmeras fotográficas…

postado pela professora Isabella Carnevalle